segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Honda SH300i à prova

Algo timidamente oiço, “oh amigo, desculpe lá…., mas vai vender a mota?”. Sorri, fiquei algo atrapalhado e estanquei – vinha com a Honda SH300i à mão. “Como estava a tirar fotografias à moto pensei que era para vender…, desculpe lá!”. Ora essa… 

O episódio aconteceu quando recolhia algumas imagens da scooter em local mais ou menos aprazível de circulação motorizada proibida. E é revelador do primeiro impacto que a mota tem em qualquer pessoa. Não sendo propriamente bonita, a Honda SH300i tem o charme e o encanto da simplicidade. E desperta atenções…

Depois de simpatizarmos com o seu aspecto clássico mas elegante “fabbricato in italia”, a primeira sensação quando nos sentamos nesta SH não é das melhores. A posição de condução é firme e hirta. As penas dobradas, sempre. O banco rijo e o toque das suspensões às irregularidades do asfalto seco e desconfortável. Lamentavelmente não estamos perante o lugar-comum “estranha-se, entranha-se” mas sim perante uma austeridade desagradável que para além de nunca nos abandonar apenas se acentua com o passar dos quilómetros.

Estes aspectos menos positivos vão sendo compensados pelo conhecimento que adquirimos da scooter com o devorar dos quilómetros.

Aquela posição espartana tem o condão de nos despertar para uma condução activa e atenta. Isso é sublinhado pelo fantástico motor que vem do Japão. São 25 CV e outros tantos Nm. Especialmente estes, sentem-se desde muito cedo e impulsionam a SH para um patamar encantador. Por exemplo, ao entrar numa via rápida de Lisboa ou arredores facilmente atingimos velocidades ali proibidas. Tanto motor disponível concede-nos ainda doses surpreendentes de segurança para nos livrarmos daquelas situações típicas de cidade que nos podem deixar em maus lençóis. Aqui, potência é também segurança, aspecto fundamental em veículos desta natureza. Falando em segurança, para parar esta “small Honda” encontramos travões eficazes e suaves muito bem auxiliados pelo ABS. 

A tudo isto se junta uma agilidade e um dinamismo surpreendentes. E uma economia incrível. Os consumos da Honda SH300i andaram perto dos 3,5 litros por cem quilómetros de condução nervosa. E, fiquei convencido, que em “andamento PCX” a SH não deverá gastar muito mais do que aquela. Surpreendente… Nota ainda para o sistema de chave inteligente tipo “keyless” muito pratico e de fácil habituação.

Em post anterior (link) deixei a questão…, poderá a actual Honda SH300i ainda ser apelidada de “City Express” – tal como o modelo original dois idos de oitenta? Lembrem-se, por exemplo, de Lisboa, Porto, Coimbra, Braga e seus arrabaldes há cerca de trinta anos. Todas elas mais “lentas”, mal pavimentas, fechadas e pequenas do que hoje. Talvez mais do que nunca, esta SH é uma verdadeira “City Express”. E tal diz bem de como a Honda tem sabido “pensar o passado para compreender o presente e idealizar o futuro”.

1 comentário:

  1. Como proprietário de uma, fica aqui uma excelente analise da SH300.. apenas acrescento que a roda "alta" facilita muito nas irregularidades do piso em Lisboa.. já tive a SH125 que não fica atrás em prestações e conforto..

    ResponderEliminar

Site Meter