quinta-feira, 26 de abril de 2018

Moto Talks #2

Já vos tinha dito que não está fácil acompanhar a cena motociclistica em Lisboa? Já, não já (link)! Hoje Repito. 


Em Novembro passado, com o objectivo de dinamizar o panorama cultural de Lisboa, em especial as motos, mas também as artes, eventos e lazer, nasceu o Riders Social Club com “sede” no lindíssimo espaço da Officina Moto. Hoje, o Riders Social Club promove aquela que é já a segunda sessão do Moto Talks. 

O quê? Como? Quem? Quando?

Se no Moto Talks #1 tivemos a oportunidade de debater os temas que nos são queridos de uma perspectiva veiculada por alguns dos maiores nomes da imprensa especializada, desta feita, e para além das presenças do Moto Talks #1, teremos o privilégio de abordar as mesmas questões do ponto de vista político. Para tal, contamos com a presença dos motociclistas Miguel Tiago, Rodrigo Ribeiro e Carmona Rodrigues. A não perder!

É já hoje a partir das 18h.

terça-feira, 24 de abril de 2018

Lisbon Motorcycle Film Fest 3ª edição


Não está fácil acompanhar a cena motociclistica em Lisboa. Os eventos sucedem-se e até os fins de tarde começam a ficar ocupados. Como alguém me dizia um dia destes…, estamos verdadeiramente necessitados de uma agenda cultural motociclistica. E isso só pode ser bom! 

A cultura motociclista volta pelo terceiro ano consecutivo à grande tela do Cinema São Jorge nos dias 1, 2 e 3 de Junho de 2018 e hoje temos a apresentação do programa do Lisbon Motorcycle Film Fest, a decorrer pelas 18h30 no O Purista Barbière - Rua Nova da Trindade 16C, 1200-303 Lisboa. 

Como ainda há uns dias disse na televisão - confesso, sempre quis escrever isto :) - motociclismo também é cultura e o Lisbon Motorcycle Film Fest é um excelente exemplo disso mesmo.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Honda GL 1800 Gold Wing 2018 à prova


Sejamos honestos. E claros, já agora. Este Escape não Testa nem Ensaia motas. Deixo esse trabalho para os meus queridos amigos profissionais da cena e para demais wannabes. O Escape Prova como se disse aqui (link). E se Prova então indaga por estabelecer a verdade de um facto. Sendo que aqui “verdade” significa a verdade do provador; isto é, a minha verdade sobre uma determinada mota. É subjectivo meus caros, ok? Recordada a advertência vamos ao que interessa… 

Antes de tudo, importava um cuidado exame visual à nova Gold Wing. E o que choca e espanta desde logo é aquela opção cromática. Amigos que decidem algures num canto de Kumamoto…, qual foi a ideia de apresentar esta moto lindíssima num solido mas monótono bloco em tons de cinza? Nunca saberemos… 

Questões cromáticas à parte, o exame visual revela também uma impressionante cura de emagrecimento face ao modelo anterior (redução total de quase 50Kg no peso comparativamente ao modelo anterior), a quinta geração, que já datava de 2001 (link). Fazemos votos que a “dieta” não tenha tido resultados prejudiciais…, se por um lado desagrada a quem está habituado a outras dimensões mais voluptuosas, por outro, cativa faixas etárias mais jovens em especial “as viúvas da Pan-European” entre as quais tristemente me incluo. Uma coisa é certa e um bocado parva também: não cabe um capacete integral nas malas laterais da nova GL! 

Vamos então passear! A música clássica e suave dos seis cilindros encanta desde a primeira nota debitada pelo boxer. Engatada a primeira e solta a embraiagem nova sensação de suavidade. Varias aliás. Tudo é fácil dinamicamente na Gold Wing 2018. Graças a um baixíssimo centro de gravidade, aqueles primeiros metros são negociados com a firmeza necessária para rapidamente nos esquecermos que estamos perante 365 Kg. em ordem de marcha. 

Mas afinal o é que tem Honda GL 1800 Gold Wing 2018? A palavra-chave já foi enunciada: suavidade. Aquela posição de condução por si só convida ao sossego com charme; e toda a dinâmica da mota acompanha esta ideia. Gostei muito de ter vários modos de condução ao dispor, em especial, curiosamente, do sport, onde tudo fica mais disponível e vibrante. 

Destaque para a novíssima suspensão dianteira de duplos braços sobrepostos que reduz, segundo a marca, em 30% o atrito originado pelas ondulações do pavimento. Só posso dizer que a achei muito eficaz e, correndo o risco de me repetir, suave. 

Mais uma nota a pensar nas “viúvas da Pan-European” – como eu, repito. A posição de condução está longe de ser algo parecido sequer àquele “diz que é uma espécie de sport tourer versátil” que podíamos encontrar nas ST. Aqui, na Honda GL 1800 Gold Wing 2018, vamos encontrar um “set up” de cruzador, navio almirante, para rasgar continentes de costa a costa. Esta continua a ser uma mota talhada para os grandes espaços e para os ritmos tranquilos. 

A Honda pede por esta verdadeira “Rainha da Suavidade” - versão de entrada no modelo GL 1800 Gold Wing, - uns quaisquer 25.200€, que me reclamou uns simpáticos 6,1 litros de gasolina por cem quilómetros de paisagem apreciada.

domingo, 22 de abril de 2018

Louco fim-de-semana de corridas

Uauuuuu!! Que fim-de-semana foi este?!? Durante a semana já tínhamos andado entretidos com as diferentes sessões de qualificação para a mítica clássica de Le Mans, mas tudo começou, verdadeiramente, com a vitória de Rea na corrida 1 do WSBK em Assen. Hoje o domínio Kawa manteve-se com a vitória de Sykes. Rea lidera o campeonato na frente das Ducati de Davies e Melandri. 


Pelo meio tivemos as sempre apaixonantes 24 Horas Motos em Le Mans. Doze anos depois a Honda regressa ao lugar mais alto no circuito Bugatti, igualando o palmarés da Suzuki com 12 vitórias, a apenas uma das 13 da Kawa. A Yamaha conta com 4 vitórias. Em 40 anos, só marcas japonesas vencem na mítica francesa. 

Mudando de continente…, se o dia começou com o signo da asa dourada assim se manteve no Texas. Moto3, vitória para o emergente miúdo Jorge Martín. Em Moto2 corrida avassaladora do nosso Miguel que arrancou da posição 12 para assaltar o pódio. E, enfim, recital do Rei de Austin com a Honda a fechar o dia como começou: a vencer! 

Mas, perdoem-me a nota pessoal. Para mim este fim-de-semana fica indelevelmente marcado pela presença no estúdio do Eurosport – honra e responsabilidade enormes – para “fazer umas voltinhas” ao Circuito Bugatti nas primeiras horas de corrida. O mundo é de facto redondo e chegou o dia em que deixei de chamar de palermas os comentadores de corridas de motas na TV, para passar a ser eu próprio o palerma. 

Bom…, a verdade é que simplesmente aammmmeeeeeeiiiiiiii a experiência. É um trabalho muito, muito difícil em especial para quem esta a fazer a narração da corrida. Para mim foi naturalmente problemático devido à desadaptação mas, confesso, a auto avaliação é muito positiva e o feedback também. Gostei muito de ver o “lado B” e de viver a corrida com a gigante responsabilidade de a comentar para quem a acompanha lá em casa. Todo isto num canal de desporto de absoluta referência. Senti me muito bem naquele papel e não nego que gostaria de repetir a experiência. Veremos se será possível.

sábado, 21 de abril de 2018

Dia de corrida


Lembrete: hoje, sábado, 14 horas, partida para a corrida que comemora quarenta anos de 24 Horas de Le Mans Motos. Uma boa parte destas podem ser acompanhadas no EUROSPORT2 em direto. A saber: Sábado das 13h45 às 14h30 e das 16h30 até às 00h00. Domingo das 6h00 às 9h00 e a parte final da corrida, das 12h30 às 14h15. 

E, como quase sempre, temos “drama” de última hora. O calor registado dos últimos dias daquela região de frança vai-se manter mas há o risco de trovoadas e alguns aguaceiros logo para a hora de partida. Isto é Endurance! 

Pelo menos no Centro e Sul de Portugal, parece estar um dia perfeito para ficar no sofá…

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Alan Kempster o gigante meio-homem

Era um ídolo de ídolos. A lenda viva Alan Kempster, piloto notado por correr apenas com um braço e uma perna, faleceu em casa (na Austrália), aos 56 anos, em circunstâncias ainda pouco conhecidas. 


Kempster, um exemplo para todos nós, e uma fonte de inspiração, nunca deu na sua vida uma batalha por perdida. Tendo ficado sem o braço esquerdo e perna esquerda num terrível acidente com um camionista alcoolizado, referia-se a si mesmo, com fleuma e bom humor, como um “crash test dummy” ou “half man”. O seu número nas pistas era o ½. Fantástico! 


Este “meio homem”, que conduzia motas modificadas onde acelerador, embraiagem e travão dianteiro eram controlados pela sua mão esquerda, apenas não conseguiu realizar um sonho: competir no mítico TT na Ilha de Man. Alan, ride in peace…

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Saca #37

Se é quarta-feira é wheeliewednesday. Já em modo 24 Horas de Le Mans Moto com a Kawa do suíço Michael Savaray na edição de 2016.

terça-feira, 17 de abril de 2018

24 Horas de Le Mans Moto em directo no Eurosport 2

Para além da anunciada “batalha de Austin”, haverá muitas mais motos em pista para ver na televisão durante o fim-de-semana que se aproxima. 

No próximo sábado e domingo corre-se a edição 41 da clássica francesa no circuito Bugatti. 


Este ano a expectativa é altíssima com cinco construtores, Yamaha (que defende a vitória do ano passado e domina a lista de inscritos com dezoito motas), Suzuki, Kawasaki (marca que conta com mais vitórias num total de catorze), Honda e BMW e três marcas de pneus (Dunlop, Pirelli e Bridgestone) a lutar pela importante vitória, que, regra geral, garante no mercado francês um incremento dos números de vendas. 

Outro dado importante é a meteorologia. É esperado tempo (anormalmente) quente e seco, inclusive com temperaturas bem elevadas tendo em conta a média para esta época do ano. Tal irá certamente potenciar uma edição em “modo sprint” e baralhar a estratégia de algumas equipas. 

Estas 24 Horas de Le Mans Moto estão inseridas no EWC 2017-18 que começou em Setembro passado com o não menos clássico Bol d’Or e culminará, depois de passagens pela Eslováquia e Áustria, com as míticas 8 Horas de Suzuka. 

Quanto ao programa. As hostilidades iniciam-se já depois de amanhã, quinta-feira, com treinos livres de cento e vinte minutos logo pelas 9 horas; segue a Qualificação 1 de cento e dez minutos pelas 14h40 e o Treino Nocturno de hora e meia pelas 19h30. Sexta-feira teremos Qualificação 2 (cento e dez minutos) pelas 9h10. Já no sábado contem com Warm-up de quarenta e cinco minutos pelas 9h05 e corrida, com partida ao velho estilo Le Mans, às 14h00 (todo este horário, hora de Portugal continental). 

Uma boa parte destas 24 Horas de Le Mans Moto podem ser acompanhadas no EUROSPORT2 em directo. A saber: Sábado das 13h45 às 14h30 e das 16h30 até às 00h00. Domingo das 6h00 às 9h00 e a parte final da corrida, das 12h30 às 14h15. 

 Rigorosamente a não perder!

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Mas vais a Évora fazer a revisão da mota porquê?

Já vos tinha contado aqui (link) o porquê da escolha de ir Évora comprar uma mota. E também aqui (link) já agora. Mas…, ir a Évora fazer uma revisão?

Riiiiiinnngg! Riiiiiinnngg! Riiiiiinnngg! Despertador às sete e meia da manhã de um sábado? Hãããã? Ahhhh! É verdade, hoje é dia de saltar da cama. Aquilo que poderia ser feito por obrigação – a quase sempre aborrecida deslocação à oficina para a necessária manutenção da mota – acaba por ser feito com prazer. Querem ler? Prometo ser rápido… 

Brooommmm…, num instante, despacho-me e já cruzo a Vasco da Gama rumo ao agora verdejante Alentejo. Com o cuidado devido para tentar não ser surpreendido pelos habituais radares da “prevenção rodoviária”, bem escondidos na N4 e na N114, chego à MOTODIANA onde me espera o José Caniço Nunes, e o seu eficiente pessoal, com uma bela cafezada. Ainda mal a CRF tinha feito o check in…, já me estavam a passar para a mão a chave daquela que seria hoje a minha “mota de substituição”. Boooommmm! Nada mais, nada menos do que a novíssima Honda GL1800 Gold Wing. 

Cerca de duas horas e meia depois, onde me entretive a descobrir a “Rainha da Suavidade” pelas margens do Alqueva – para ler em breve aqui no Escape – estava de regresso. Não para me ir embora mas sim para almoçar, àquele ritmo alentejano de que tanto gostamos, com o Caniço e outros motociclistas. Aproveitamos para por a conversa em torno das motas e das viagens em dia… 

Algures a meio da tarde seria tempo de regressar a Lisboa. Ou não. Aproveitando a presença de alguma família em Cabrela, uma fantástica aldeia alentejana onde quase ninguém vai, ali algures entre Montemor-o-Novo e Alcácer do Sal, juntei me para umas bochechas de porco estufadas, dois copos de tinto e outros tantos dedos de conversa pela noite dentro.

Mas vais a Évora fazer a revisão da mota porquê? Acho que ficou claro. Andei na minha mota, trataram dela com carinho, tive o enorme prazer de ser um dos primeiros motociclistas em Portugal - comunicação social inclusive - a conhecer a novíssima Honda GL1800 Gold Wing, petisquei, coloquei a conversa em dia e ainda estive com parte da família. Fácil! 

O regresso foi lento…, o dia tinha sido cheio!

domingo, 15 de abril de 2018

Honda GL quarenta e quatro anos de asa dourada (IV e V)

A Honda GL 1800 2018 é apenas o sexto modelo Gold Wing em quarenta e quatro anos. Motivo mais do que suficiente para, na opinião deste Escape, dedicar algum tempo ao fundo do baú, como já fizemos aqui (link) e aqui (link). 


Quatro. 1988. GL 1500. A da, digamos, minha geração. A única que conduzi (e adorei!) até hoje. Apresentada no Salão de Colonia de 1987, a GL apresenta-se totalmente redesenhada por uma nova equipa na Honda, que trabalhou incansavelmente durante cerca de quatro anos no projecto. Destaque para um novo motor, muito mais suave, de seis cilindros alimentados por carburadores de 36mm; 1520cc a debitar 100cv e 150Nm; nova caixa que inclui marcha atrás, a primeira mota de produção em massiva com tal característica. 


Cinco. 2001. GL1800. O novo século trazia consigo novas exigências. Treze anos tinham passado e foi necessário partir de uma folha em branco…, uma vez mais. O resultado foi uma mota excepcional fruto de um trabalho interdisciplinar tendo, por exemplo, o quadro sido premiado internacionalmente devido à sua originalidade. No coração 1832cc a produzir 125 cv e 170Nm. E…, um ABS de última geração para ajudar a deter em segurança os mais de 350Kg.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Honda GL quarenta e quatro anos de asa dourada (II e III)

A Honda GL 1800 2018 é apenas o sexto modelo Gold Wing em quarenta e quatro anos. Motivo mais do que suficiente para, na opinião deste Escape, dedicar algum tempo ao fundo do baú… 

Um, para ler aqui (link).


Dois. 1980. GL 1100. A segunda geração GL aparece bem mais composta, assumindo-se como a primeira turística totalmente vestida de origem nipónica Protecção aerodinâmica, plástico com fartura, malas laterais e uns impressionantes 305 Kg propulsionados por 1085cc que debitavam uns parcos (aos nossos olhos do século XXI) 81cv e 88Nm. A ignição electrónica, suspensão pneumática e pneus tubeless fizeram as delícias da imprensa da época a nível mundial, que teceu enormes elogios a esta nova touring para os anos 80. Mas, na verdade, a Gold Wing tal como tinha sido idealizada só agora ia para a estrada. 


Três. 1984. GL1200. “Picada” por alguma concorrência (entre ela a pouco conhecida entre nós Yamaha Venture XVZ 1200), aproveitando a comemoração da primeira década, a Honda revê e actualiza a sua Deusa alada. O motor mantinha os quatro cilindros opostos, montados horizontalmente, mas as suas dimensões foram levadas ao limite subido para 1182cc; nova injecção, nova suspensão traseira auto ajustável, cruise control e um luxuoso dolby stereo fizeram as delicias dos mototuristas da época.
Site Meter