quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Limalhas de História #37 – 17 de Agosto de 1997






Vitória, vitória, segundo lugar. Vitória, vitória, vitória, vitória, vitória, vitória, vitória, vitória, vitória, vitória, segundo lugar. Na última corrida, enfim, uma desistência. 340 (trezentos e quarenta) pontos 

Faz hoje exactamente vinte anos. Donington park, North West Leicestershire. Faltando ainda quarto etapas para o fim do mundial, Mick Doohan festeja efusivamente com a HRC o seu tetracampeonato. Foi um ano glorioso para o australiano mas também para a Honda. Doohan primeiro, Okada segundo, Nobuatsu Aoki terceiro, Crivillé quarto e Takuma Aoki quinto. Arrasador!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Limalhas de História #36 – 14 de Agosto de 2017

Marco Simoncelli (Cattolica, 20 de Janeiro de 1987 - Kuala Lumpur, 23 de Outubro de 2011). Como não ficar emocionado sempre que se recorda o simpático italiano? 

Faz hoje exactamente seis anos. Brno. Só deu Honda nesse domingo. Stoner, Dovizioso e Simoncelli. Marco Simoncelli alcança o seu primeiro pódio em MotoGP. Primeiro, de apenas dois na classe rainha. A este, junta-se um segundo lugar na sua última corrida completa, na Austrália. Race in peace, Marco…

domingo, 13 de agosto de 2017

Pela “Route des Grandes Alpes” (II)

Antes, durante e depois. Os três momentos chave da Viagem. 

Foi aqui. Agosto de 2016. Quando vi e comprei a excelente Road Trip (#37) – “Les Carnets de Voyage Motos”. O “antes” começou a desenhar-se com cerca de um ano de antecedência. 

Alpes. Outra vez Alpes? Sim, Alpes. Para sempre Alpes! Já havia mote. Descobrir e percorrer a “Route des Grandes Alpes”. Parte dela já conhecida, outra parte novidade. Tudo seria olhando com outros olhos, percorrido com outros sorrisos. O asfalto a ser “surfado” por outras borrachas, propulsionadas por cavalos diferentes dos da última vez.

Mas que raio vem a ser isso da “Route des Grandes Alpes”? 

Invenção humana, é um itinerário turístico composto por diversas estradas ou trechos de estradas. Cerca de 720 quilómetros que riscam os Alpes franceses de norte a sul. Lá pelo meio vamos encontrar dezassete cols (passagens de montanha), seis deles acima dos 2000 metros de altitude. Partindo de Thonon-les-Bains, nas margens do charmoso lago Léman, conduz o viajante a beijar o Mediterrânico em Nice – num acumulado de 17000 metros de desnível.

Relançada no final do seculo XX, a “Route des Grandes Alpes” está hoje aberta na sua totalidade sensivelmente de Junho a Setembro, dependendo do degelo sazonal. Ainda no primeiro momento da viagem, o “antes”, compus o itinerário para que algumas capelas do gigantesco tempo alpino (link) não ficassem sem a respectiva visita e “digníssima oração”. 

Feita a viagem, na segunda quinzena de Julho passada, chegamos pois ao momento do “depois”. Relanço o repto: venham comigo pela “Route des Grandes Alpes”.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Estará a Yamaha a preparar uma anti-Honda X-ADV

Segundo a revista espanhola Solo Moto (link) esta é a arma da Yamaha para contestar o “surpreendente êxito” da X-ADV. Será? 

De facto, a aceitação da “SUV” da Honda tem sido notável por essa Europa fora; eu próprio, nas duas semanas em que pude viajar algures pelos Alpes, cruzei-me com dezenas de de X-ADV´s. 

É assim natural que as demais marcas reajam. Mas…, com “isto” na foto? Reparem apenas nas suspensões e nas jantes…, seria com algo do género que alguém quer combater a aprimorada Honda X-ADV? 


Ah…, como não amar a silly season

terça-feira, 8 de agosto de 2017

De Honda Innova 125 por essa Europa fora

É conhecida a amizade e carinho que este Escape e o seu autor têm pela Motodiana, concessionário Honda em Évora. Porquê? Olhem…, motivos vários entre os quais estes que podem ler por aqui (link). 

Os elogios são tantos que um destes dias alguém sobejamente conhecido e que já cá anda há umas décadas me dizia…, “olhó o Escape, o órgão oficial da Motodiana”. Bueno no exageremos…, não sendo bem assim é publico e notório que gosto bastante da Motodiana e das pessoas que a fazem. 

E não o sou o único a gostar da Motodiana. Leiam lá esta pequena mas deliciosa historia 

“Seanna Marie, assim se chama esta jovem californiana, que decidiu viajar pela Europa, durante alguns meses. Arranjou esta, bem usada, Honda Innova 125cc e veio do Mónaco, por aí fora, visitando tudo o que podia, em França e Espanha e finalmente teve um percalço grave. O bujão do óleo, estava com a rosca moida e foi perdendo o dito cujo, até que…, ficou a pé, em Espanha, a 3 kms da fronteira. Veio parar à Motodiana, de pronto socorro, mas chegou ao local certo para reparar a moto. Verificou-se que o motor tinha gripado e que a causa foi o tal bujão. A Honda é fabulosa no fornecimento de peças. O piston, juntas e demais peças foram de imediato encomendadas e no dia seguinte estavam na Motodiana. Rectificado o cilindro, montagem de todas as peças, experimentada a moto e voilá, pode seguir viagem. Insistiu em tirar uma foto com os elementos da Motodiana, que estavam hoje, sábado, de serviço, a quem chamou de “Anjos”, por a terem desenrascado tão depressa e por lhe terem emprestado uma Honda Vision para visitar a zona de Évora, durante 3 dias, e aí vai a nossa corajosa e aventureira Seanna Marie, estrada fora, pela Nacional 4, até Lisboa. Vai visitar Lisboa, Sintra, Cascais, Cabo da Roca e depois vai até ao Algarve, seguindo até Barcelona e daí de ferry até Itália. Quem encontrar esta singela figura, nesta motinha, com aquela mala/troley em cima do banco traseiro, amarrado a uma pequeno top case, já sabe que á a nossa alegre e divertida aventureira. Regressa aos USA em final de Setembro. Isto é que são férias, não é verdade?” 

O relato não é meu mas sim literalmente copiado da página da Motodiana no facebook. 

Num tempo em que alguns motociclistas acham que a melhor forma de viajar de mota é envia-la daqui para o destino, empalada num contentor, indo lá ter com a sua “xuxuzinha xptozinha” no conforto do ar condicionado do avião (nota: nada contra, cada um sabe o que é melhor para si – vão ouvir varias vezes aqui este comentário); num tempo em que algumas casas de motociclismo têm dificuldade em lidar com certos clientes ditos aborrecidos…, é muito bom saber que ainda existem “diabos” que se lançam à estrada de forma “nada católica” e que do outro lado da linha estão “anjos” para os “ampararem na queda”. 

Ah… sigam a Seanna Marie no Instagram (link). É capaz de valer a pena…

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Limalhas de História #35 – 7 de Agosto de 1977

Cecotto! Quem? Johnny Ceccotto! Quem? O piloto da Toleman, Formula 1, nos anos oitenta? Sim esse mesmo. Colega de equipa no Toleman-Hart de Ayrton Senna na mágica temporada de 1984? Esse mesmo. Mas que raio tem o Cecotto a ver com motas? 

Faz hoje exactamente quarenta anos. Brno, antiga República Checoslovaca. Alberto "Johnny" Cecotto, nascido em Caracas, Venezuela, faz a dobradinha levando as suas Yamaha à vitória nas classes de 500cc e 350cc. Cecotto, que fez toda a sua carreira de velocidade no motociclismo com a marca nipónica, tinha sido campeão mundial na classe 350cc em 1975, sua época de estreia.

domingo, 6 de agosto de 2017

Pela “Route des Grandes Alpes” (I)

Alpes. Outra vez Alpes? Sim, Alpes. Para sempre Alpes! 

Religião é Cultura. Está ai, opõem-se à Natureza que nos é dada. A Religião é produto dos Homens. É um sistema ou conjunto de sistemas. De crenças. De visões do mundo. Estabelece símbolos. A Religião tem comportamentos organizados. 

Os Alpes estão lá, na Natureza, foram-nos dados. Nos Alpes os Homens construíram e mantêm estradas. Estradas belas como a Natureza mas produto do labor humano. São Cultura. Como cultura é abraçar aquelas estradas com máquinas de duas rodas. 

É isso mesmo que fazem todos os verões milhares de motociclistas que de todo o mundo ali acorrem. É um comportamento mais ou menos organizado. 

Os Homens são naturalmente hedonistas, buscam o prazer. Neste caso o prazer daqueles homens (e cada vez mais mulheres) é circular naquelas estradas. As estradas transformam-se assim em templos. As estradas como locais de uma prática religiosa. De uma visão do mundo, recordamos. 

O Mototurismo (visão do mundo) enquanto comportamento organizado, assume ali uma natureza próxima da prática religiosa. E as estradas alpinas são os locais de tais práticas. 

Ou seja, encontramos nas estradas alpinas os Templos perfeitos para a prática da Religião pagã do mototurismo. Deus é a máquina que conduzimos. A crença é no prazer. E o Templo assume, como escrevi (link) em tempos a forma de descomunal Disneylândia. 

Venham comigo pela “Route des Grandes Alpes”...

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Quilómetro infinito

Um deserto. A nossa blogosfera motociclistica é assim; seca, árida, abandonada. Alguns blogues assemelham-se a estações de serviço perdidas lá em nenhures onde já ninguém vai, onde já ninguém passa.


Ao longe, uma miragem? Fui confirmar. Com o passar dos quilómetros (textos) encontro enfim um oásis. Fresco, rico e pleno de sombras para me refrescar. Quilómetro infinito (link) é o blogue de um casal mototurista há muito credor de uma permanente linha ali em baixo em “outras curvas”. 

Mais do que isso. Quilómetro infinito faz nos sonhar. Com mais e melhores viagens. De escrita simples mas escorreita, pode ser útil a muito bom motocicilista. A mim, por exemplo, é e será. Acho que vou começar por aqui (link). O Escape partilha e recomenda!

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Limalhas de História #34 – 1 de Agosto de 1993


Mil novecentos e noventa e três. Hora de trocar de mota e de marca de tabaco? Sim, para Luca Cadalora. O piloto de Emilia Romagna decide abandonar a Rothmans Honda, onde se sagrara bicampeão mundial em 250cc e ingressa na classe rainha com a Marlboro Yamaha. 

Faz hoje exactamente vinte e quatro anos. Donington park, North West Leicestershire. Que é como quem diz, bem no centro da Inglaterra (acho que já tinha escrito isto antes….). Desobedecendo às ordens de equipa, Luca, vence o seu primeiro Grande Prémio em 500cc batendo um lesionado Rainey. Niaal Mackenzie fecha um pódio todo Yamaha. E um tal de Carl Fogarty aparece, qual estrela cadente, para levar a sua bela Cagiva ao quarto posto.
Site Meter